Artigo
voltar para consulta

assunto
Transcomunicação Instrumental - TCI
Autor Data Publicação
Associação Nacional de Transcomunicação 08/05/2001
Origem
Página Oficial da ANT

 

    Transcrevemos entrevista feita pelo informativo "Panorama Espírita" à nossa coordenadora, Sonia Rinaldi.
   
Sonia está à frente da nossa organização desde a sua fundação, em 1990, quando começou a reunir os primeiros interessados em Transcomunicação Instrumental. Hoje a ANT tem aproximadamente 850 associados por todo o Brasil, e os resultados dessa profícua união fica bem evidenciado nas nossas publicações, a exemplo da recente revista 41, que aborda o sucesso de nossos associados, bem como muitos outros temas.
   
Com a palavra, a coordenadora de nossa Associação Nacional de Transcomunicadores:

Quais são as suas perspectivas para a Doutrina Espírita no 3o Milênio prestes a iniciar?
SR
- Faço observar que meu ângulo de visão será sempre o do enfoque do Espiritismo Científico. Lembramos que Kardec estabeleceu uma base tríplice para a doutrina espírita, ou seja, os aspectos religioso, filosófico e científico. Tratamos mais especificamente do terceiro, ou seja, o científico.

Nesse sentido, hoje nossa associação (Associação Nacional de Transcomunicadores) vem atuando de forma firme e segura para arregimentar evidencias e provas da realidade do Espírito através de áudios e imagens.

A nossa seriedade despertou a atenção de um importante instituto de pesquisas americano (IONS – Institute of Noetics Sciences), que tem como propósito aproximar Ciência e Fenômenos Paranornais. As tratativas de uma acordo de pesquisa conjunta está em andamento e estamos certos de que nos anos que seguem (ou seja, próximo milênio) a Ciência oficial passará a se defrontar com a realidade do Espírito, devidamente comprovado em laboratório. Nossos esforços são nesse sentido. Trabalhamos para comprovar que o espírito existe e que a comunicabilidade interdimensional é uma realidade, porém, com todo o rigor científico necessário.

Tratar do assunto "espírito" dentro do meio acadêmico sempre foi um tabu, mas estamos felizes por termos conseguido o apoio de cientistas, dado as provas incontestes que dispomos e a importância que disso resulta.

Nesse sentido, poderíamos dizer que estamos tentando levar o Espiritismo para fora dos Centros Espíritas, ou seja, atingindo outras culturas e povos, que hoje não aceitam o Espírito, mas que, talvez venham a aceitá-lo através de evidências científicas.

A senhora acha que a "3a Revelação" está exercendo eficientemente o papel que lhe foi designado pelas esferas superiores? Ou melhor, os espíritas estão sabendo conduzi-la?
SR
- No meu ponto de vista particular, penso que a quase ausência de pesquisa cientifica dos fenômenos espiríticos, é um ponto em desfavor. O Espiritismo tem elementos que podem ser comprovados, diferentemente dos "dogmas" que as outras religiões "impõe" aos seus fiéis, e no entanto isso não é maximizado. Vê-se outras religiões pregarem inverdades, nada que possa ser comprovado, e o Espiritismo, que tem possibilidade de documentar e comprovar suas propostas, acaba apenas assistindo a disseminação dessas religiões milionárias. A parte científica do Espiritismo abarca áreas como a pesquisa de casos de Poltergeist, Reencarnação, E.Q.M., Visões em Leito de Morte, Projeção Astral, Telepatia, Clarividência, Regressões à Vidas Passadas etc... e embora todos esses fenômenos sejam fartos de evidências, carece de documentação adequada para ser aceito pela ciência oficial. Penso que o caracter religioso e filosófico da doutrina encampou mais de 90% do interesse dos seus seguidores. Até hoje o científica é inexpressivo, embora seja o exato diferencial que a coloca em vantagem em relação às demais religiões. Só o Espiritismo tem como comprovar suas propostas enquanto que outras religiões, não.

Sabemos que a Ciência (clássica) não atestou ainda a realidade do Espírito e a Reencarnação. A TCI é um caminho para que a comprovação ocorra?
SR -
Penso que com certeza. Mas o meio espírita faz pouca pesquisa e muitas vezes só apoia com restrições. Vejamos o caso específico da Transcomunicação Instrumental. Trata-se de um segmento rico em possibilidades no levantamento de provas a favor da realidade da sobrevivência pós-morte, além de evidenciar a comunicabilidade. Como o interesse de comprovar a realidade do Espírito é mais nosso do que da Ciência Oficial, cabe à nós, interessados procurar chamar a atenção. De que forma? Através de casos bem documentados, rigorosamente controlados etc...

Em julho-99 tive a oportunidade de viajar para Ohio (EUA), para o Congresso de Psicotrônica, onde me apresentei ao lado de um cientista brasileiro, que abordou importantíssima teoria quanto a possibilidade da comunicação dos espíritos em termos de Física Quântica. No público haviam representantes de instituições científicas importantes, e foi a partir disso que engrenamos a parceria entre instituições científicas lá, e nós.

Mas. Esse ângulo de nosso trabalho é apenas uma fatia do que fazemos. A outra, que consideramos de importância e que essa mesma pesquisa leva o CONSOLO, atendendo o aspécto humanitário que a TCI também pode oferecer: fazer com que aqueles que perderam seus queridos, possam vê-los e ouvi-los de novo.

Quais são os seus atuais projetos e metas futuras no Espiritismo?
SR - Além da dar andamento à evolução dos contatos com o Além por meio de aparelhos e aprimorar mais e mais, tanto a parte de áudio quanto de imagem, entendemos que a parceria com os cientistas americanos poderá nos auxiliar a disseminar a verdade do Espírito de forma mais cabal e abrangente. Entendemos que nesses últimos 2.000 anos, muitas religiões levantaram e evidenciaram a realidade do Espírito. Mas nunca tiveram força de impor isso como uma Verdade comprovada. Quem sabe, se ao invés de NÓS dizermos isso, se isso for dito por cientistas, é possível que muitos os ouçam. Veja, pode-se por em dúvida qualquer "opinião pessoal, ou uma religião". ReligiÃo nÃo se discute, certo? mas não há muito como discutir dados matemáticos. Recentemente comprovamos que a voz de um falecido correspondia à sua voz quando vivo através de Laudo Científico. Dezenas de cálculos levaram à identificação das vozes (morto x vivo). As ferramentas da Ciência são universais e nesse caso comprovamos pela primeira vez na História, matematicamente, a sobrevivência após a morte. A matemática não é discutível. Simplesmente é.
O futuro dirá se nossa linha de ação logrará êxito. Se sim, ótimo, fizemos a nossa parte. Estaremos felizes. Se não... ao menos tentamos, e estaremos felizes da mesma forma. A disseminação da Verdade não depende de nós individualmente, mas de determinações que vem do Lado de Lá. Mas, só de podermos participar dessa tentativa, Deles, de trazer a Verdade de forma mais concreta para a Terra, independente dos resultados, já é gratificante. É isso que nos impulsiona a fazer a nossa parte.

 

BREVE INTRODUÇÃO

A TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL, ou seja, os contatos com os espíritos através de aparelhos eletrônicos, embora pareça uma novidade para muitos, em verdade, é uma pesquisa que já tem mais de 100 anos.

Segundo os historiadores, Thomas Edson, teria sido o primeiro a cogitar da possibilidade de contactar os mortos, quando disse que se ele conseguisse criar um aparelho sutil o suficiente para que pudesse ser manipulado pelos que já partiram, o intercâmbio ocorreria.

Ele não criou tal aparelho, mas deve ter conversado muito sobre essa possibilidade com o brasileiro, também inventor, Dr. Landell de Moura, quando este morou nos EUA.
Dr. Landell, padre e inventor, quando de volta ao nosso país, chegou a ser visto com uma “caixinha” que mantinha no bolso da batina, e com a qual falava em italiano (detalhes e citações estão em outros artigos do site).
Teria sido esse equipamento o primeiro da TCI?
Talvez.
Mas outros mais tentaram nas décadas seguintes, sendo que só com o advento da Eletrônica é que os contatos interdimensionais começaram a se firmar, ou seja a partir dos anos 50.

A ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSCOMUNICADORES

A partir de 1988, um pequeno grupo composto por Dr. Hernani Guimarães Andrade, sua assistente, Profa. Suzuko, mais Sonia Rinaldi e Fernando Machado, iniciaram experimentos de TCI no IBPP – Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas, em São Paulo.
Dr. Hernani foi quem alavancou a pesquisa científica de diversos fenômenos paranormais no Brasil – e quem introduziu o assunto TCI, em 1974 em nosso país.

O quarteto inicial trabalhou durante dois anos, quando em 1990 Dr. Hernani mudou-se para o interior de São Paulo – e Sonia Rinaldi e Fernando Machado deram continuidade aos experimentos.
Naquele ano, oficializamos a ANT – Assoc. Nacional de Transcomunicadores, que tinha e tem até hoje dois objetivos primordiais:

- levar o consolo àqueles que perderam alguém muito querido, por poder ouví-lo,
- e comprovar cientificamente a veracidade da sobrevivência após a morte física.

São esses dois tópicos que norteiam a ANT, hoje com aproximadamente 1.000 associados em todo Brasil.
As conquistas da pesquisa que desenvolvemos, com apoio de cientistas, vão muito além de apenas receber Vozes.

Por exemplo:
- Já obtemos diálogos com o Além em tempo real, por aparelhagem;
- Nossos resultados foram mostrados para cientistas americanos, no Congresso de Psicotrônica (1999);
- A qualidade das Vozes são cada vez mais claras;
- Também avança o projeto do Laboratório para Autenticação do fenômeno da TCI em parceria com o IONS (EUA);
- Nas reuniões de associados (trimestrais), centenas de pessoas tem testemunhado contatos com os mortos, ao vivo!!! Ou seja, gravamos e colocamos, de imediato, para os presentes ouvirem.
E mais:
- Mantemos intercâmbio ativo com todos os centros de pesquisa do Exterior, como Itália, França, EUA, Espanha, Bélgica, Canadá, etc...
- Produzimos uma revista trimestral (“Contatos Interdimensionais”) para manter os associados informados dos avanços – neste mês de março, já no número 42.
- E neste mês de março-00 conseguimos mais uma conquista: a aprovação do primeiro projeto para autenticação do Fenômeno das Vozes, por uma instituição brasileira, e cujos resultados serão apresentados em outrubro, em Brasília.

APOIO DA CIÊNCIA

Há aproximadamente 3 anos firmamos a união com pesquisadores e cientistas de uma das mais respeitadas universidades do país, e com os quais, vimos desenvolvendo trabalho para comprovar a realidade dos contatos em condições laboratoriais.
Entendemos que as Religiões já vem afirmando que se vive depois da morte há mais de 5.000 anos, mas o mundo não deu ouvidos.
Quem sabe, se ao invés disso ser dito sob teor religioso, mas comprovado como uma verdade científica, tenhamos a disseminação efetiva dessa realidade – cujo resultado, imaginamos, será o de trazer mais responsabilidade para o Homem, enfim, novos rumos para a Humanidade.

AS VOZES REVERSAS

Foi devido à união com esses cientistas que nós, experimentadores pudemos conhecer novos fenômenos, dentre eles, o que reputamos de maior importância: as vozes reversas.

O que são?
Para entendê-las, é preciso lembrar que quando se grava algo, isso ocorre num sentido de tempo. Digamos, que uma fita no gravador corre da esquerda para a direita, e isso demarca o fluxo do tempo transcorrendo.
No entanto, os Comunicantes Espirituais já demonstraram serem capazes de registrar mensagens não apenas nesse sentido de fluxo, porem SIMULTANEAMENTE no sentido reverso.
Em outras palavras:
AMBAS as gravações (contatos paranormais) ficam pairando um sobre o outro, sem que se mesclem.


IMPORTANTE:
Não existe tecnologia na Terra que possibilite tal empreitada, pois se nós gravarmos algo em cima de outra gravação já existente, o que ocorrerá?
Apagará a anterior!
No caso dos transcontatos, eles permanecem intactos em ambos os sentidos – normal e reverso.
Essa é apenas uma das provas incontestes da realidade dos transcontatos.

O acervo da ANT conta hoje com milhares de áudios tanto nossos como de nossos associados, constituindo o mais diversificado do mundo, com casos notáveis e impressionantes.

E se você gostou do assunto... junte-se a nós para seguirmos nessa pesquisa, cuja meta final é atestar a sobrevivência, ou seja, comprovar que a Morte não existe.
A ANT não tem fins lucrativos, nem mensalidades, e sobrevive apenas da publicação de suas revistas. Participe!
O seu apoio é imprescindível para o sucesso dessa causa que é de todos.