Páginas de Luz    (A Verdade e os Oito Passos para a Felicidade)
Capítulo 10 - A Óctupla Nobre Senda - Oitavo Passo: Reta Meditação
por Narcí Castro de Souza

Savitri, ao retornar de mais um encontro com o Senhor Gautama, observou que à porta de sua casa, um vulto de mulher a aguardava. A noite começava a cair e as primeiras estrelas surgiam na abóbada celeste. Apressou os passos e surpresa identificou Indira.

- Minha amiga, há quanto tempo! ? exclamou ao se aproximar.

- Estou a esperá-la bem antes do pôr-do-sol. Um irmão doente impediu-me de procurá-la há mais tempo. Queria saber sobre o Príncipe. Gostaria de participar dos encontros que acontecem todas as tardes ? falou Indira.

- Minha amiga, por que então você não foi hoje até a fonte?

- Fiquei com receio de chegar sozinha , sem permissão.

- Indira, todos os que chegam a Ele são bem-vindos e alegremente recebidos. Vamos entrar. Shanda está vindo logo atrás com nossos pais e certamente não deixará você voltar sozinha para casa, pois já anoiteceu. Tome um copo de leite ? falou Savitri enquanto pegava a amiga pelo braço, a introduzia na casa e, pressurosa, a servia.

- Conte para mim o que o senhor Gautama tem ensinado a vocês.

- São tantas e tão preciosas lições, que uma noite é muito pouco para que eu conte tudo para você. Venha conosco amanhã e escute de Sua boca os ensinos sublimes ? convidou Savitri.


A tarde apresentava-se radiosa. O céu de um azul profundo sem nuvens. Uma aragem fresca, suavemente, fazia ondular a vegetação que exalava perfume de ervas e flores. Indira chegara um pouco antes da hora combinada e ansiosa aguardava Savitri junto ao portão do pequeno jardim que rodeava a casa.

- Amiga, por que não me chamou? ? perguntou Savitri ao sair e deparar com Indira.

- Preferi esperá-la aqui fora e aproveitar a bênção que esta tarde está nos oferecendo.

- Vamos ? ? perguntou Shanda com um largo sorriso de boas vindas, aparecendo com os pais à porta da casa.

Ao chegarem à fonte, acomodaram-se junto aos demais discípulos que já se encontravam sentados em semicírculo ao redor de Sidharta.
Buda , ainda em profunda meditação, mantinha-se totalmente imóvel. Sua fisionomia transparecia profunda paz.
Indira sentiu o perfume de lírios e deslumbrada fechou os grandes olhos negros.
Ao fechá-los , surpresa, começou a viver uma incrível experiência: viu de forma muito nítida Gautama irradiando intensa luz azul e em sua mente escutou claramente a voz aveludada e forte que lhe dava boas vindas.
Abriu os olhos e ao fitar Gautama, este lhe endereçou um sorriso, como a confirmar a experiência vivida.

- Que a bênção de Brama encontre eco em vossos corações. Hoje vamos discorrer sobre o Oitavo e último Passo da Nobre Óctupla Nobre Senda: Reta Meditação ou Reta Concentração - anunciou Sidharta.
Não me refiro apenas à meditação habitual , cotidiana, que todos já praticam. Refiro-me a um estado de constante comunhão com o ser imperecível que em todos habita, o ser divino que todos somos em essência. Refiro-me em focalizarmos esta realidade de forma contínua , mesmo quando se realiza as tarefas mais cotidianas que a vida nos cobra; em estarmos sempre reverentes à frente dos frutos ofertados pela infinita bondade dAquele de onde tudo proveio, em procurarmos ver além da aparência transitória, a divindade que subjaz em tudo. Assim procedendo, nossa comunhão com a Fonte da existência será constante. Podemos perceber que este passo é a colimação dos outros sete passos anteriores, se forem corretamente praticados: Reta Crença, Reto Pensamento, Reta Palavra, Reta Ação, Reto Meio de Subsistência, Reto Esforço, Reta Memória ou Reta Recordação .
Lembremos que estamos constantemente cercados de hostes invisíveis, formadas pelos seres da natureza, pelos homens desencarnados, pelos anjos. Se reverenciarmos a vida procurando a divina Presença em tudo que contemplamos, certamente estaremos sempre cercados pelos seres mais afins a este procedimento. Além desta companhia invisível positiva que atrairemos, se acercarão de nós pessoas que se afinizam com estas vibrações elevadas e formaremos correntes de força construtora de freqüências altíssimas que estarão constantemente influenciando a evolução de todos os que estiverem em nossa proximidade. Seremos colaboradores conscientes do objetivo de Brama: o crescimento espiritual de Seus filhos na Terra.

- O Senhor, então, apoia a formação de grupos de pessoas que meditem juntas para que assim, potencializando suas vibrações, canalizem energias positivas para nosso mundo? ? perguntou Ramanuja.

- Isto ocorrerá sempre como resultado da correta meditação : seres que se atraem por um objetivo nobre compartilhado. Lembremos da grande responsabilidade que assumem aqueles que são instruídos sobre os objetivos da vida. Assim como receberam daqueles que os precederam na senda evolutiva o auxílio necessário para seu crescimento, devem colaborar conscientemente para o Plano que visa o amadurecimento espiritual daqueles que lhes estão na retaguarda.

- Perdoe-me Lhe dirigir a palavra, já que só agora recomeço a compartilhar dos Seus ensinos. O que devo fazer para poder acompanhar todos os que já estão fazendo parte do grupo de seus discípulos desde o começo de sua missão? ? timidamente perguntou Indira.

- Muitos que chegam por último tornam-se primeiros em adiantamento. Se você , minha irmã, pudesse recordar, constataria que não é recente o seu interesse pelas verdades que presidem a evolução dos seres. Em outras vidas já foi membro de outros grupos que estudavam e se esforçavam para romper a ilusão que acorrenta aqueles que ainda são escravos dos bens transitórios. Você retorna na hora exata e com facilidade assimilará meus ensinos.

Estes encontros continuaram a acontecer durante inúmeras tardes. Pacientemente Buda esclarecia e recordava a causa das dores que presidem a vida na Terra que designou de Quatro Nobres Verdades e a Senda que promove a emancipação do sofrimento, designada por Ele de A Nobre Óctupla Senda. A primeira vez que instruiu aqueles que foram seus cinco primeiros discípulos, foi na Lua cheia do mês de Asala ( em sânscrito Ashádha) , que corresponde ao mês de julho.
Todos os anos , na lua cheia do mês de julho, os membros que constituem A Grande Fraternidade Branca se reúnem na casa de um dos grandes Mestres para recitar e comentar este sermão. Não há peregrinos do mundo físico, se bem que são recebidos visitantes em corpo astral.
Foi no último festival de Asala , no ano de 2003, que me foi sugerido pelo meu Mestre, realizar este pequeno opúsculo com a finalidade de recordar os ensinos de um dos maiores luminares que veio à Terra auxiliar a evolução da humanidade .
Fica aqui, então, minha pequena contribuição, que ela possa estar à altura do que me foi sugerido. Eternamente grata Aquele que por todos zela, quero que todos os que tiverem acesso a este trabalho recebam em abundância a bênção do Senhor Buda.


Perguntas Respondidas
Assunto: oito passos para a felicidade Data : 14/05/2007
Pergunta:

Onde se relizou o festival de que fala o artigo? Nao enendi muito bem.

Gratos

neyde

Resposta:

Este festival se realiza anualmente na casa de um Mestre nos Himalaias. A Fraternidade Francisco de Assis também o realiza na primeira lua cheia de julho.