Olhar Psi    (Olhar Psi)
Felicidade
por Jorge Queiroz

O que é felicidade? Você saberia definir essa palavra de origem latina - felicitat? O dicionário Aurélio diz que é a qualidade ou estado de ser feliz. O poeta e compositor Moraes Moreira, na música Pão e Poesia, começa afirmando que "felicidade é uma cidade pequenina, é uma casinha é uma colina, qualquer lugar que se ilumina quando a gente quer amar..."

Felicidade é isso mesmo? É algo tão simples que ficou perdido no dia-a-dia de nossas vidas, no estresse das cidades, no corre-corre do cotidiano, e que só pode ser alcançada se largarmos a vida que estamos acostumados, nos desapegando do conforto das cidades e nos mudando para o campo em busca da pureza interiorana? Ou ainda como em outro verbete do Aurélio que diz que felicidade é o mesmo que fortuna. Lembramos logo daquela música cantada repetidamente no final do ano:
"... muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender..."? Uns até contradizem, vociferando que "dinheiro não traz felicidade..., "Outros ironizam se não traz... ajuda".

Ou será, então, que o que o poeta nos propõe é uma reflexão: o que vale mesmo é o estado em que nos encontramos. Mesmo em uma casinha na colina, o que importa, é se "a gente quer amar". Importa realmente o que queremos da vida e como queremos levá-la. O filósofo existencialista Jean Paul-Sartre dizia que o destino era questão de escolha individual, que não importa o que fizeram a nós, mas sim o que fazemos do que fizeram a nós, isto é: não importa o que o achem, dizem, pensem ou falem de nós, o que importa é o que nós fazemos com o que os outros acham, digam, pensam, falam de nós. Reflitam. Que importância damos ao que os outros pensam de nós? Várias vezes trocamos a nossa felicidade pela felicidade dos outros. Preocupados em agradar nossas esposas, maridos, namorados, filhos, pais e tantos outros mais, que dizem que nos amam ou que verdadeiramente nos amam. Trocamos o que queremos pela querência dos outros, e lá se vai o que sentimos e lá se vai a nossa felicidade. Mudamos completamente o nosso estado de espírito em busca de fazer os outros felizes.

Felicidade então é um estado de espírito? Só isso? Pode parecer um paradoxo, algo que não se encaixa em um raciocínio lógico, algo que em si se contradiz, mas Felicidade é uma entidade individual, é intransferível, assim como a dor, o medo e até mesmo, a tristeza. Só nós sabemos quando estamos realmente felizes. Invariavelmente conseguimos perceber claramente o que nos faz feliz, diferente da tristeza, da melancolia, que algumas vezes se instala, a partir da culpa, do medo e outras vezes, sem percebermos, a partir de uma doença chamada depressão. Felicidade não é apenas um estado de espírito, mas para se alcançar a felicidade, depende sim do nosso estado de espírito. Para ser feliz, não existe uma receita de bolo, mas quando vivemos sem conflito com os nossos sentimentos é mais fácil encontrarmos a felicidade. Pode ser na cidade, no campo, sozinho, acompanhado, com pouco ou muito dinheiro, com saúde ou até sem ela, por que não?

Felicidade é uma decisão sua, minha, individual, um direito seu, mesmo que contrarie outras pessoas, ou uma tendência, porque nós estamos aqui para sermos felizes! PENSE NISSO!

Email: jorgepsiqueiroz@yahoo.com.br
Jorge Queiroz - Psicólogo CRP 38841


Perguntas Respondidas