Lições de Vida    (Lições de Vida)
Reflete na Fé
por Flávio Brito

Certa manhã, dois homens caminhavam por um desfiladeiro a fim de chegarem mais rápido a um local. Um tentava animar o outro, quando de repente se viram diante de um dilema. Atravessar o rio ou andar mais duas horas a pé. O rio, profundo e misterioso, poderia guardar mistérios ainda desconhecidos daqueles dois homens. Mas a vontade em poupar caminho era muito mais forte.

João o primeiro, perguntou ao companheiro de viagem o que este achava. Pensativo, Lucas disse - Não sabemos o que encontrar nestas águas mansas. Contudo, se pegarmos outro caminho, chegaremos duas horas depois e não aproveitaremos este atalho.

João pensou e refletiu, dizendo a Lucas que nem sempre o caminho mais curto e oculto é o melhor. Lucas sugeriu que fizessem uma balsa com juncos à beira do rio e se lançassem em aventura. Mas João preocupado com a falta de vida animal que reinava a beira rio, alertou o amigo de viagem para que percebesse os sinais. Mas nada adiantou, por insistência de Lucas, fizeram a tal embarcação demorando hora e meia para este propósito.

Quando terminada a construção da balsa, João sentiu que não era para adentrar o rio com tal equipo; decepcionando assim, Lucas, que dizendo em tom de ironia, que este ficasse para ver o seu triunfo.

João pediu mais uma vez ao amigo, que desistisse da empreitada, mas a idéia de atravessar o rio, como atalho a viagem, parecia tentadora.

João então, ajudando o amigo, lançou a balsa e recomendou cuidado, pois apesar da mansidão, o rio parecia traiçoeiro.

Na metade do trajeto, Lucas com uma vara, dava impulso na balsa apoiando a ponta no fundo do rio, não reparando que a frente se encontravam pedras, quase oclusas aos olhos mais atentos, levando a embarcação à colisão; e essa sendo feitas às pressas, não agüentou, fazendo com que nosso amigo caísse e batesse com a cabeça em uma das pedras do rio, desfalecendo na hora.

Desesperado, o amigo rogou aos Céus uma solução para salvar Lucas, que estava desacordado.

Foi quando ouviu em sua mente - Vá até a ponta do rio que fica a duas horas de onde vocês estão. Lá o rio se estreita e alcançarás teu companheiro de viagem.

Seguindo com Fé a voz na sua consciência, João apressou os passos, levando exatas duas horas, avistando seu amigo preso ao resto dos juncos da embarcação. Pegou uma vara e com muito esforço foi retirando o amigo do rio.

Foi quando Pedro, um eremita, apareceu para ajudar e explicando a João disse:

- Nem sempre o atalho parece à solução mais fácil aos nossos problemas. Vocês demoraram quase duas vezes mais para sair do rio e só tu escutaste e percebeste os sinais de aviso para não tentares o caminho da facilidade.

Recuperado, Lucas confessou ao amigo que também ouvia uma voz dizendo-lhe para seguir em frente e esquecer o rio, mas ele achou que pegando o atalho seria melhor e que a sua falta de fé e a Fé nas mensagens que Deus enviou ao amigo foram determinantes para o acontecido.

Devemos ter Fé e escutarmos os sinais que recebemos, por muitas vezes, do plano astral, que nos revelam os riscos que corremos pela vontade de seguirmos pelos atalhos da vida.

S.A.I.


Perguntas Respondidas