Compartilhando    (Manvantara)
Reflexão 11
por Ilda Castro

Alquimia

Sofro todos os sofrimentos.
Experimento todas as alegrias.
Sinto quaisquer sentimentos
pois trabalho com alquimia.
Vivo toda e qualquer vida ?
a minha e as de muitos mais.
Pessoas que se aproximam vencidas;
com jeito não natural, feridas
de modo profundo ou superficial;
com o íntimo magoado, sentido, camuflado.
Eu, Espírito Aberto, Universal,
pressinto a essência que emana de mim
e as que ao meu encontro vêm de modo tal
que me espanto, me abro inteiramente,
não tendo bloqueado nenhum canal.
Minha alma é um cadinho sim,
onde de modo desordenado
muitas vidas se misturam, atrapalhadas.
Então re-nascem lindas, bem do fundo,
saltando ágeis para o papel, para o mundo -
totalmente liberadas, transmutadas.
São como pequenas conquistas
de um humilde poeta-alquimista.


Retrato de Gente

Gente branca, preta, vermelha, amarela.
Mosaico a compor um mundo
e, num mundo todo igual, outros - tão diferentes.
Mas, como é gente?
Tem gente que é boba, fechada.
Não mostra quase nada do que sente:
apresenta-se como alta montanha,
coberta de relva verdejante,
pintada de flores claras e brilhantes,
mas esconde - a todo e qualquer instante -
suas grutas escuras e cavernas profundas;
seu interior ígneo, incandescente.
Oculta um vulcão de sentimento, de emoção,
sob falsa tranqüilidade, sob paz aparente.
Reprimida - pouco aprende,
pois não vê, não ouve, não sente.
Há gente que é tal e qual ostra:
emparedada, controlada, contida;
de exterior duro, agressivo, grosseiro, escuro.
Escondendo de todos ao seu redor
pérola pura, rara - jóia querida,
que enfeitaria a sua e outras vidas.
Pérola de sabedoria e de amor
que, por sua vontade, poderia surgir,
bastando que se abrisse - a sorrir.
Gente - explosão de vida!
Ilumina grutas e cavernas
e incentiva a ostra a se mostrar, a se abrir.

Com riso nos olhos e alegria colorida,
semeia amigos, vence o sofrimento.
Espalha por onde anda
verdade, esperança, contentamento.
Mergulha de cabeça - ama incondicionalmente -
não cobra, não recrimina. Aberta, não mente.
Sol a aquecer, a fazer viver.
Seja como for -
sempre carente de amor,
gente é gente!...


Alma Cigana

Coração rebelde, insaciável, indomado.
Não acha bom, nem se satisfaz
com o que já tem, já está acostumado
e deseja sempre mais e mais.
Espírito efervescente, em constante ebulição,
visto ser alma cigana, alma aventureira
que se perde pelo éter, pelo espaço,
à procura de lugar não feito de aço.
Alma alegre, pacífica, não guerreira.
Sede de saber, de conhecer segredos
e impressão de estar em eterno degredo
por não ter um pouso certo.
Mas isto não é degredo; sim, ser liberto.
Minha casa são supernovas
e estrelas em extinção e cometas;
a lua, o sol, o Infinito.
Este e muitos outros planetas,
os quais, a querer, alcanço em segundos,
pois minha alma cigana é dona dos mundos.


Perguntas Respondidas