Páginas de Luz    (A Verdade e os Oito Passos para a Felicidade)
Capítulo 3 - A Óctupla Nobre Senda - Primeiro Passo: Reta Crença
por Narcí Castro de Souza

O primeiro raio de Sol encontrou Indira e Savitri junto à fonte, onde no dia anterior Buda falou àqueles que o seguiam. Logo a seguir, chegou Amarka, excitado, rosto vermelho pela indignação. Trazia nas mãos uma estatueta.

- O que está acontecendo com Amarka? Nunca o vi assim tão agitado ? falou Savitri.

- Veja, Shanda está chegando com o Bhagavan ? observou Indira.

As duas ficaram em silêncio, na expectativa de entender o que se passava com Amarka. Não ousaram inquiri-lo.

- Bhagavan, veja que ousadia sacrílega! Fizeram esta imagem do senhor e a estão distribuindo a todos os que passam pela aldeia. O objetivo deles é desacreditá-lo ante as pessoas que em profusão têm se juntado a nós, para receber do senhor a divina palavra.

- Deixe-me ver ? pediu o Buda e um leve sorriso embelezou a serena face ao contemplar a estatueta ? Então é assim que me vêem? Barrigudo, careca e orelhudo? Pois bem, de hoje em diante quero que eu seja assim representado.

- Mas Sri, o senhor é o oposto desta imagem ? ainda com semblante indignado Amarka observou.

- O que importa a aparência exterior, Amarka? O que importa no homem é o seu interior. Se seu interior é belo , sua aura é atrativa e agradável apesar de sua aparência. Se o interior é deformado, a energia que dele se irradia afasta e repugna os que não lhe são idênticos, por isso não serei afetado pela beleza ou pela deformidade de como me representem.

Amarka ficou pensativo e aos poucos seu semblante refletiu a serenidade que tomou conta de seu espírito.

Um grupo expressivo de pessoas já havia chegado , assenhoreando-se do que se passara, assentiam com o olhar e com a cabeça ante a orientação ministrada por Buda .

- Hoje, vamos falar sobre o primeiro passo que deve ser dado no caminho que conduz à cessação da tristeza. É o início da Óctupla Nobre Senda. O primeiro passo é a Reta Crença

- O que vem a ser a reta crença? Devemos abandonar a religião de nossos ancestrais? O Bhagavan nos oferecerá nova religião?

- Não. Não vim anular a crença dos ancestrais. Meu objetivo é simplificar. Prestem atenção: é importante o homem compreender que, na manifestação da Vida, existem diversos graus de evolução. Isto pode ser observado em todos os diferentes reinos que povoam este planeta. No reino mineral, podemos ver que da obscuridade dos metais mais toscos à beleza das preciosas gemas cristalinas, existe uma grande distância evolutiva. No reino vegetal, pode-se constatar os contrastes de expressão e beleza dos pequenos musgos ao carvalho que se destaca na floresta por seu porte. No reino animal, observa-se claramente a diferença evolutiva entre a ferocidade do tigre e a mansuetude do gato doméstico, para apenas citar poucos exemplos. Vemos que a Vida caminha sempre procurando o aperfeiçoamento em todos os reinos e coroa este intento no homem, mas mesmo no reino humano os contrastes são evidentes. Do selvagem ao homem civilizado, uma grande trajetória foi percorrida.

Um adulto não pretende cobrar de um torrão de barro, que cintile como uma esmeralda; de um musgo, que ele cresça como um carvalho, que um tigre se porte como um manso gatinho. O homem adulto sabe respeitar os limites que a natureza impõe. O Homem que já percorreu uma grande parte de sua trajetória evolutiva apresenta um nível de compreensão muito acima daquele que está nos albores de sua humanidade. O primeiro não cobra do segundo um comportamento que ele ainda não está preparado para vivenciar. Sua atitude é de um paciente instrutor que procura oferecer os recursos de crescimento por etapas, sabendo que cada passo leva algum tempo para ser concluído; da mesma forma que um adulto espera que a compreensão da criança vá se aperfeiçoando à medida que ela vai crescendo , mas não a deixa à mercê do tempo, ele a instrui e educa pacientemente.

Esse é um dos aspectos da Reta Crença: tolerância e compreensão dos limites de cada um.

Sabemos , no entanto, que uma existência, apenas, não é o suficiente para que alguém alcance a perfeição. Muitas vidas são necessárias para que o ser humano se aprimore até chegar ao nível ideal. Esse é mais um aspecto da Reta Crença: a lei da evolução através dos múltiplos renascimentos.

Tudo o que fazemos produz um resultado que vem em nossa direção. Se plantamos um arbusto que produz flores, serão flores que poderemos colher. Se plantarmos uma árvore frutífera, colheremos frutos. Se causarmos dor a um ser vivente seremos alcançados por situações dolorosas; se jogarmos uma pedra para o alto, ela cairá em nossa cabeça; se batermos com nossa cabeça em uma parede sentiremos dor. É a Lei de causa e efeito. Se fizermos o bem, colheremos o bem; se fizermos o mal, colheremos o mal. Temos assim, outro aspecto da Reta Crença.

- Bhagavan, permita-me então comentar. Se acreditamos em Brahma, não admitimos que Ele ame mais a uns do que a outros, a ponto de condenar um ser, seja de que reino for, a eternamente estar em posição de inferioridade em relação a outros. Não basta, observando as diferentes etapas evolutivas, concluir que existe um processo em toda a natureza de contínuo aprimoramento e que são necessários muitos nascimentos para se alcançar a perfeição . Temos que procurar participar da obra do Creador , cooperando para auxiliarmos os mais frágeis , sem nos escandalizarmos, nem guardarmos ressentimentos por seus atos, compreendendo que ainda não existe suficiente amadurecimento da parte de quem erra para agir diferente. Estou certo? ? aparteou Amarka.

- Sim Amarka, está certo. A fonte de toda vida provém de uma Consciência Superior que é Onisciente, Onipotente e plena de Amor. Esta Consciência Superior envia sempre à Terra homens que já alcançaram um elevado nível de aprimoramento, para fundar religiões que informam a Verdade e o caminho a ser percorrido para o alcance da evolução. Estes caminhos são traçados de acordo com o grau de entendimento dos grupos a que se destinam. Todos, em essência, ensinam a mesma Verdade. Os homens, devido a sua imaturidade e ignorância, desvirtuam os ensinos e se desviam do objetivo que seus instrutores lhes haviam indicado. Muitos, durante algum tempo, estacionam sem conseguir alcançar a meta que essas religiões poderiam lhes oferecer e, ainda, por ignorância, combatem as outras religiões afirmando que a única que pode levar à salvação de suas almas, é a que eles professam. Aos poucos as dificuldades iniciais são vencidas e, assim como os diversos rios desaguam no oceano, estes diversos caminhos conduzem ao objetivo que é a iluminação daqueles que os trilharam.

- Pelo que entendemos , então, Reta Crença é:
1º. aceitar que todos partimos de uma Consciência Superior a qual designamos de Brahma.
2.º todos, em todos os reinos, evoluiremos até alcançar a perfeição;
3.º todos precisamos nascer muitas vezes;
4º. todos estamos sob a lei de causa e efeito , isto é a lei do carma, logo vamos sempre colher o que semearmos. É isto Swami?

- Sim , meu amado Ramanuja. É bom no entanto frisar, que não basta, apenas, não praticar o mal. É importante fazermos sempre o melhor que pudermos em relação a tudo que nos cabe, lembrando sempre que não devemos julgar para não sermos julgados, muito menos condenar ninguém pelos seus erros. Devemos sempre procurar instruir e elevar mais com os exemplos do que com as palavras. Vigiar sempre para não tropeçarmos nos inimigos que precisamos vencer, inimigos que se encontram dentro e não fora de nós, que são o orgulho , o egoísmo, a vaidade , a prepotência e todos os males conseqüentes da pouca maturidade do homem.

Vejam! Devaky chega com uma cesta de frutas. Vamos abençoá-las e distribuí-las entre todos, pois já está avançada a hora e devem estar famintos.

- Mas Swami, são muitos os que aqui se encontram. As frutas são apenas para o senhor ? falou Shanda.

- Tragam-me a cesta ? ordenou Buda.

- Abençôo este alimento que a generosa natureza nos oferta ? dizendo isto , posicionou suas mãos sobre a cesta em atitude de bênção e ordenou ? Podem distribuir as frutas!

Para o espanto de todos, a cesta não se esvaziava; à medida que eram distribuídas as frutas, mais frutas apareciam na cesta.Todos se alimentaram e Devaky olhando espantada viu que sua cesta continuava plena de frutas .

- Aproxime-se de mim, amada filha, deu-me vontade de provar uma das frutas que trouxeste ? pediu Buda a Devaky.

Buda pegou uma fruta e comeu-a, agradecendo mais um vez ao Senhor da Vida o alimento que a natureza generosa ofertara.

- Agora, voltem para sua aldeia e procurem meditar sobre os ensinamentos de hoje . Amanhã vamos falar sobre o segundo passo da Nobre Óctupla Senda ? assim falando, Buda fechou os lindos olhos azuis e se alçou às paragens divinas do puro Espírito.


Perguntas Respondidas