A Arte e o Espírito    (O Julgamento)
19ª Parte - Cirurgias Espirituais. A Defesa.
por Jorge Queiroz

 

JUIZ É a sua vez de inquirir a testemunha. Mas se atenha aos fatos aqui expostos e não às suas impressões a respeito de ninguém!
ADVOGADA Mais uma vez me desculpe, meritíssimo.
(A advogada fala baixo consigo mesma)
Por favor, me ajude sejam lá quem for você, se é amiga me ajude.
(Uma luz mais forte ilumina a advogada, e Mariana que está atrás dela. A advogada sente a energia que vem das mãos de Mariana, sorri, pega fôlego e segue perguntando).
ADVOGADA Dr. Rafael, à quantos anos o senhor exerce a medicina?
Dr. RAFAEL Há mais de 30 anos.
ADVOGADA
O senhor nunca havia visto algo parecido antes?
Dr. RAFAEL Não, nunca.
ADVOGADA Tanto o senhor quanto o promotor alegaram que fatos como esses, realizados pelo meu cliente, são capazes de provocar a morte, não é verdade?
Dr. RAFAEL É verdade.
ADVOGADA O senhor tem conhecimento se alguns daqueles pacientes do vídeo aqui apresentados pela promotoria, vieram a falecer após as cirurgias do senhor Paulo?
Dr. RAFAEL Bem... Desses pacientes do vídeo eu... pelo que pude apurar ninguém morreu, mas...
ADVOGADA Quer dizer, que apesar da falta de assepsia, da ausência de cuidados com a cicatrização e da inexistência de anestesia, nenhum dos pacientes teve uma hemorragia ou infecção e morreu?
Dr. RAFAEL

É, parece que não, mas isso não justifica...

ADVOGADA Não justifica o quê, Dr. Rafael? Fora essa criança que a promotoria ainda não provou que morreu por culpa do meu cliente, o senhor tem alguma notícia de outro paciente que tenha morrido?
Dr. RAFAEL Bem. Eu ... é que...
ADVOGADA Apenas responda a minha pergunta, Dr. Rafael: O senhor sabe de alguém que tenha morrido nas mãos do meu cliente?
Dr. RAFAEL (ENTRE DENTES - CONTRARIADO) Não, não sei.
  (O público reage e o juiz intervém)
JUIZ Silêncio! Silêncio!
ADVOGADA Doutor Rafael, o senhor já ouviu falar em homeopatia?
Dr. RAFAEL Claro que sim.
ADVOGADA Já ouviu falar em acupuntura?
Dr. RAFAEL Sim, já ouvi.
PROMOTOR Protesto! Os conhecimentos da testemunha não estão sendo julgados!
ADVOGADA Meritíssimo, estou querendo apenas estabelecer as informações que a testemunha tem sobre outros tipos de medicina.
JUIZ Protesto indeferido.
ADVOGADA Não é verdade que tanto a homeopatia quanto à acupuntura, até bem pouco tempo, também não eram consideradas técnicas aceitas pela medicina tradicional do ocidente?
Dr. RAFAEL É verdade, mas...
ADVOGADA Apenas responda às perguntas Doutor Rafael.
Dr. RAFAEL É verdade.
ADVOGADA Não será possível, que algum dia, terapias alternativas como a Cromoterapia, a Cristaloterapia, a Fitoterapia, a Orgonoterapia, a Radiostesia, sejam aceitas como terapias eficazes?
Dr. RAFAEL Não acredito, isso tudo não passa de crendices.
ADVOGADA Deve ter sido isso que os inquisidores do Santo Ofício disseram quando Galileu, Galilei afirmou que a Terra era redonda. É essa ignorância preconceituosa que não permite ao homem pesquisar o desconhecido. O meu cliente em vez de estar aqui sendo acusado da prática de uma medicina ilegal, deveria ser objeto de estudo. Porque, se consegue sem anestesia, sem assepsia e com cicatrização rápida e sem hemorragia, curar milhares de pessoas desenganadas pela medicina tradicional, deve estar utilizando uma técnica revolucionária. Quem sabe, essa medicina parapsicológica, não venha a ser a “Medicina do 3º Milênio?”
  (Todos reagem ao mesmo tempo, o promotor, a platéia. Paulo está de pé e sorri para a advogada).
PROMOTOR Eu protesto! Isso é um absurdo! A advogada está invertendo as coisas. Quem está sendo julgado não é a medicina e sim o senhor Paulo dos Santos.
JUIZ Silêncio! Silêncio!
Dr. RAFAEL Ele não é médico, é um louco. Não tem direito de curar ninguém!
PROMOTOR A doutora advogada quer fazer desse louco criminoso um santo, mas ele é um demônio! Eu protesto, isso é um absurdo!
Dr. RAFAEL Ele é um charlatão! Um charlatão!
JUIZ Silêncio! Silêncio!
  (No meio da balbúrdia, a advogada e Paulo recebem uma luz especial, os dois se olham enternecidos e tocam suas mãos).
JUIZ Silêncio! Silêncio! Isto aqui não é um circo, é um tribunal! Os senhores têm que se comportar com respeito (O barulho diminui). A senhora advogada já terminou com a testemunha?
ADVOGADA Já sim, meritíssimo. Desse médico não tem mais nada que eu queira ouvir. Eu gostaria de convidar outro médico, o Dr. José Albino, como testemunha da defesa.
JUIZ Que entre o Dr. José Albino.
  (Dr. Rafael encara Dr. José ao se cruzarem)
PROMOTOR (Debochando) Testemunha de defesa? Será realmente um médico ou um curandeiro?


Perguntas Respondidas