Conquistando SerenIdade    (Educação Gerontológica)
Depende do Jeito de Ver
por Liliane Bruno

Amo ler e, há alguns anos aprendi a gostar de livros infantis, mesmo sendo uma mulher sem filhos ou sobrinhos para curtir e contar histórias. Uma frase contida no texto de um determinado livrinho, certa vez saltou-me aos olhos como um convite à reflexão. Dizia assim: "As coisas têm muitos jeitos de ser... depende do jeito da gente ver".

Levando a afirmação do livrinho para o campo do envelhecimento humano, área de estudo e pesquisa de meu interesse, permito-me compreender o passar do tempo, o ficar velho, não como um demérito, algo ruim. Pelo contrário, busco entender que envelhecemos diariamente ao longo de toda a nossa existência, e que mesmo o vergar de nossos ombros não impede que ainda tenhamos experiências novas para vivenciar.

Nosso corpo envelhece por dentro e por fora, e existem fatores genéticos, psicológicos e ambientais que podem agravar o processo natural, tornando a velhice uma etapa da vida caracterizada por fragilidade e dependência crescentes. Desde que o ser humano concorra, em sua juventude, para um envelhecimento saudável, até mesmo as provações sob a forma de patologias orgânicas podem ser mais bem tratadas.

Mas, isso depende do jeito da gente ver. Ver o tempo passar para cada um. E ele passa para todos nós. Para a criança que inicia seu caminho. Para o jovem que começa a escolher sozinho o seu caminho. E para o velho, que ainda tem caminhos para percorrer, apesar dos muitos que já trilhou. Saber envelhecer demanda uma mudança de postura diante da vida, valorizando a velhice e transmitindo seus aspectos mais específicos aos idosos, enquanto promoção de saúde , e também às gerações mais jovens, através da chamada Educação Gerontológica.

A construção de uma sociedade onde o envelhecimento seja considerado a maior vitória do ser humano diante das batalhas de toda uma vida, depende não somente do jeito da gente ver, mas principalmente do jeito da gente ser. Ser alguém capaz de acreditar que envelhecer é acumular conhecimento sobre muitas coisas, mas ainda assim ter a consciência de que o passar do tempo sempre pode trazer novas lições.

Admitir que o tempo é um bem precioso, mas reconhecer que seu passar é uma regra sob a qual todos invariavelmente encontram-se submetidos, talvez seja uma tarefa árdua. Pode ser encarada como um passo importante na construção de uma consciência coletiva de valorização da pessoa, de suas experiências, um estímulo à sua participação, ou não. Depende do jeito da gente ver. E você, o que vê?


Perguntas Respondidas
Assunto: 'Ver e ser' Data : 25/07/2007
Pergunta:

As vezes acredito somente na possibilidade do 'ser' influenciar o 'ver'. É mais fácil crer que a 'genética' humana determine a forma de 'ver' o mundo (acho q isso justificaria muitas atitudes não tão boas dos homens).

Entretanto, será possível que uma mudança no modo de 'ver', 'assimilar' as coisas ao nosso redor pode mesmo influenciar nosso 'ser'? Será mesmo possível que haja uma mudança real, através de uma doutrina religiosa, em nosso ser ?

Resposta:

Em um primeiro momento,eu gostaria de frisar que o objetivo específico da

coluna Conquistando SerenIdade é abordar assuntos pertinentes ao processo de

envelhecimento humano, levando em conta os aspectos psicossociais, culturais

e espirituais que afetam o ser em evolução. Faço esse comentário, porque

pareceu-me que a pergunta teria um teor mais genérico ao remeter-se às

possibilidades do 'ser' e sua influência no 'ver'. Se eu estiver errada, por

favor peço ao leitor que me perdoe.

Entretanto, considero que a busca por uma orientação espiritual através de

uma religião, seja ela qual for, é um caminho que faz parte da busca do ser

humano por respostas às suas mais íntimas questões. Ao obter estas

respostas, pode-se perceber uma mudança na visão de mundo antes

estabelecida, e o ser humano passa a ter um entendimento diferenciado a

respeito das situações que vivencia e observa à sua volta.

Em relação aos idosos, em especial, abraçar uma religião é um caminho para

entender a vida e suas adversidades obtendo consolo e fortalecimento, em

especial diante das perdas de toda ordem que são vivenciadas com o passar

dos anos.

Espero ter sido clara ao expressar minha opinião sobre a questão

formulada. Caso seja necessário estender o assunto, estarei disponível para

dar continuidade à discussão.

Mais uma vez agradeço ao leitor pela participação. Este tipo de interação

será sempre uma honra e um prazer para mim.