Em Busca da Verdade    (Dicas para Uma Vida Melhor)
Meditação - O caminho da Iluminação Interior
por Gustavo Martins

| Introdução | Palavras de Say Baba | Integração com Deus | Meditação |
| Os Mestres | Iogues | Samadhi | Kriya Yoga | Divulgação da Yoga |
| O Caminho da Kriya | Como se Tornar Estudante da SRF | Sites |

1. Introdução

Há muito tempo estudo e busco informações relativas à meditação, tema cheio de mistérios e mitos. Quem nunca ouviu falar sobre homens e mulheres, que nasceram iguais a nós, mas dedicaram suas vidas e suas forças para o auto-descobrimento? Suas vidas expiraram, mas seus espíritos se tornaram um só com o Criador.

Os iogues, com suas posturas eretas e o olhar voltado para o eterno me fascinam!!

Na sua infinita misericórdia, o Criador não poderia deixar sem amparo os que buscavam também o caminho da auto-realização, e, por isso, várias e várias vezes enviou espíritos santificados até a Terra, para que pudessem soerguer os que choravam e gritavam por amparo espiritual.

Os mendigos de fé nunca estiveram desamparados e hoje, em épocas de transformações espirituais para o nosso planeta, a meditação é divulgada em todo o planeta, não como religião, mas como caminho para o reencontro.

A sua prática permite que o estudante vivencie a verdade, transformando-se e descobrindo-se.

A meditação não deve ser praticada com qualquer grupo ou seguir ensinamentos de qualquer pessoa. A prática incorreta ou o despertar prematuro através de ativações de chacras pode ter conseqüências irreversíveis para esta vida, sendo necessário as vezes mais de uma encarnação para o devido reparo.

Esse artigo tem um pouco de minha busca, misturado com meu estudo, acrescido do humilde testemunho que tenho da meditação junto à Self Realization Fellowship, entidade criada por nosso querido guru Parahamansa Yogananda para divulgar os seus ensinamentos.

De forma alguma vamos ensinar a meditar. Esse artigo é simplesmente uma forma de encaminhar os irmãos para leituras e grupos que o ajudem a alcançar com mais segurança o caminho da reta-meditação.

Nada melhor que as lindas e sábias palavras de nosso querido Sai Baba para introduzir esse artigo.

2. Palavras de Sathya Sai Baba, o Avatar do Amor sobre Meditação

"As preces devem emanar do coração, onde Deus habita, e não na cabeça, onde as doutrinas e as dúvidas se chocam.

Pode uma pessoa ensinar meditação a outra? É possível ensinar a postura, a posição das pernas, pés ou mãos, a forma e o ritmo de se respirar... Meditação é uma atividade do mais íntimo do ser humano, ela envolve uma profunda quietude subjetiva - o esvaziamento da mente e o encher-se com a luz que emerge da divina chama interior. É uma disciplina que não se ensina em livros...

Como começar? Se você algumas vez contemplou com deslumbramento uma noite estrelada ou se maravilhou com o milagre de uma flor silvestre, você já começou a meditar.

Todos estamos trilhando o caminho para Deus, mas alguns têm mais consciência dessa viagem do que outros. Alguns vagam numa corrente preguiçosa, enquanto outros se lançam ao seu destino como que guiados por uma bússola.

A graça de Deus é concedida a cada devoto conforme o nível de sua consciência espiritual. O oceano é vasto e ilimitado, mas a quantidade de água que você pode pegar dele é determinada pelo tamanho do recipiente que você leva até suas margens. Se o recipiente for pequeno, você não pode enchê-lo além de sua capacidade limitada.

Do mesmo modo, se seu coração estiver contraído, a graça Divina será igualmente limitada.
Abra seu coração libertando-se das diferenças restritas e, assim, reconheça a verdade de que o Divino habita em todos.

Se os homens conhecessem o caminho para a alegria e a paz permanentes, eles não vagariam, distraídos, pelas alamedas do prazer sensual. Da mesma maneira como a alegria sentida nos sonhos desaparece quando você desperta, a alegria sentida quando você está acordado também desaparece quando você desperta para a consciência mais elevada. Faça o melhor uso do momento presente para se tornar consciente da Divindade latente em tudo. Quando morrer, você não deve morrer como um animal ou um verme, mas como um homem que percebeu que é um Deus.

O amor não age com interesses; o egoísmo é falta de amor.

O amor vive de dar e perdoar e o egoísmo vive de tomar e esquecer.
Tudo é divino. Quando você está seguro da sua divindade, você, então, certamente reconhecerá a divindade do próximo.As palavras têm tremendo poder. Elas podem incitar emoções e podem acalmá-las. Elas comandam, enfurecem, revelam ou confundem. São forças poderosas que trazem à tona grandes reservas de energia e sabedoria. Tenha, portanto, fé no nome do Senhor e repita-o sempre que puder.

Comece o dia com amor.

Viva o dia com amor.

Preencha o dia com amor.

Termine o dia com amor.

Esse é o caminho para Deus”.

 

3. A angústia dos homens que buscam a integração com Deus

Existe uma angústia interior que palpita em todos os seres encarnados que ainda não se auto-realizaram com Deus.

Essa sensação que varia entre pensamentos de solidão ou angústia é mais “sentida” naqueles que estão espiritualmente mais evoluídos, já que vivenciaram em vidas sucessivas o mesmo ciclo de nascimento, crescimento e morte, onde de forma frustrada se perderam no nevoeiro das sensações físicas.

Rapidamente, cansamos dos prazeres terrenos e o desejo por coisas materiais é insaciável. O homem nunca está completamente satisfeito e persegue um objetivo após o outro. Mesmo que estampe no rosto um sorriso ou que grite para todos que está feliz, sua alma está presa, enferma e perdida, e um dia a verdade aparecerá. Mesmo que tenha todos os bens materiais e prazeres que deseja, ele sente que algo lhe falta...

Esse algo mais que falta é o Senhor, o único que pode conceder a alegria imperecível.

Cansado de rodar em círculos, fazendo sempre a mesma coisa, o espírito passa a repensar o motivo da sua vida, para onde vai e de onde vem.

Os espíritos que ainda iniciam o processo de ascensão ao Senhor encontram nas manifestações externas às suas respostas, ou seja, em palavras de oradores experientes ou nos livros. Nada tenho contra esses métodos de aprendizado, que, aliás, conseguem um alcance maravilhoso.

Contudo, o discípulo da verdade não consegue se contentar com a verdade falada ou escrita. O início do despertar eclode então no interior da sua Alma cansada de tantas desilusões.

Ela clama por um contato interior com a verdade porque sente que somente dessa forma poderá se unir com o Criador. Ele, por sua vez, decide então ir além do contato superficial vivenciado até hoje, mergulhando profundamente no caminho da auto-realização.

Irmãos, para os que buscam vivenciar a verdade, existe a meditação, que, com técnicas já comprovadas por vários mestres e discípulos levou muitos a vivenciar a Verdade, não na superficialidade do mundo físico, mas na profundeza do espírito.

4. Meditação

"Parahamansa Yogananda ensinou-nos o caminho, não apenas por suas palavras e divino exemplo, mas também ao dar-nos os métodos científicos de meditação da SRF. Não é possível saciar a sede da alma apenas com leituras sobre a verdade. Deve-se beber profundamente da Fonte da Verdade – Deus. Auto-Realização significa exatamente isto: Experiência Direta com Deus "
                                                               Sri Day Mata, presidente da Self Realization FellowShip

4.1 Definição

A meditação não é o único caminho para comunhão direta com Deus. Muitos santos e espíritos puros que encarnaram na Terra não faziam uso de qualquer prática iogue e conseguiram entrar em estados de plena consciência cósmica.

Dizia um sábio mestre que quando se atinge a união com Deus, desaparecem as diferenças dos vários caminhos.

Alguns se iluminaram através da vida monástica, outros realizaram serviços desinteressados de qualquer ordem egoística para a humanidade, tendo exercido o domínio sobre suas paixões e tendências inferiores, possuindo também grande poder de concentração.
A grande vantagem da meditação é que ela acelera o processo de desenvolvimento espiritual e tem vasta abrangência, pois tem uma abordagem universal.

As restrições para que alguém pratique meditações são bem mais flexíveis que as necessárias para a vida monástica, por exemplo.
Quando alguém decide trilhar o caminho da meditação não deve se desligar do mundo, isso não é uma exigência para o meditador.

Sobre esse assunto nos fala Yogananda:
"Um verdadeiro iogue pode cumprir seus deveres no mundo, onde ele é como manteiga na água, e não como o leite facilmente diluível da humanidade indisciplinada. O cumprimento das responsabilidades mundanas não separa o homem, necessariamente, de Deus, desde que sua mente se mantenha livre de desejos egoístas e desempenhe o seu papel na vida como um instrumento voluntário Divino."

Um desses exemplos foi o grande mestre Lahiri Mahasay, grande propagador da Kriya Yoga, que atingiu a auto-realização e iniciou muitos discípulos, tendo sido também casado e aposentado pelo trabalho.

4.2 Objetivos

" A introspecção, ou sentar-se em silêncio, é um processo não-científico de forçar a mente e os sentidos, amarrados pela força vital, se separarem. A mente contemplativa, em sua tentativa de retorno à divindade, é constantemente arrastada de volta aos sentidos pelas correntes da vida. "
                                                                                                         Paramahansa Yogananda

Na grande maioria das técnicas de meditação, o praticante busca, na fase inicial, o silêncio da mente. Isso parece extremamente fácil, mas logo no início do treino se mostra mais difícil que uma maratona no deserto escaldante.

A mensagem de Yogananda toca o ponto fundamental do objetivo da meditação: silenciar a mente, permitindo sentir o espírito imortal que vive dentro de você. Desligando-se das sensações ilusórias e dos pensamentos que o prendem à matéria, o espírito consegue vivenciar experiências e sensações jamais imaginadas.

Através do silêncio total da mente, é possível entrar em contato com a sua individualidade, e, após muitas e muitas e muitas práticas, pode-se chegar à ligação Total e Completa com Deus.
Nesse estado de pureza ocorre a integração do espírito com o Criador, vivenciando toda a Verdade. Esse estado é chamado de samadhi pelos iogues.

Samadhi é um estado superconsciente beatífico, no qual o iogue percebe a identificação entre a alma individualizada e o Espírito Cósmico. Falaremos mais sobre samadhi no decorrer do artigo.
Nem todos os praticantes conseguem chegar ao estado de samadhi, que exige preparação e disciplina. No entanto, acredito que não devemos buscar a meditação somente para chegar nesse estado de graça, pois os benefícios adquiridos pela prática constante mudam a qualidade de vida do praticante.

Para aqueles que começarem a realizar meditação, de forma disciplinada e utilizando uma técnica séria, é notória a mudança em vários aspectos de sua vida.

Parece que o espírito imortal começa de forma gradual a tomar espaço na sua vida. Você fica menos agitado, mais paciente. Começa a buscar mais o silêncio e a introspecção, evitando falar demasiadamente, de modo especial sobre você mesmo.

Além disso, sua sensibilidade fica mais apurada, o que o faz evitar lugares barulhentos e agitados. Sua alimentação, hábitos e gostos começam a mudar..... Em vários aspectos você começa a se tornar mais simples. Tudo isso é natural e você deve deixar acontecer, porque a mudança deve ocorrer do interior para o exterior, não devendo ser forçada. A meditação busca conectá-lo às verdades que existem dentro da alma, e, ao subir cada degrau desse caminho, o estudante exterioriza o que alcançou, sendo natural a mudança dos seus valores e atitudes.

Cada um terá o seu momento, lembre-se que o mais importante da meditação é o encontro consigo mesmo e não os aspectos exteriores.


4.3 Dificuldades

A maior dificuldade da meditação, sem a menor dúvida, é manter-se sem pensamentos, com a mente limpa. É impressionante a capacidade que temos de inventar assuntos, afazeres, lembranças, dores, preocupações, recordações e outras milhares de coisas inúteis para o espírito que busca se iluminar.

Essas coisas também são importantes, mas quando se senta para meditar, isto é, quando você deseja silenciar a mente, aquele momento é único e, mesmo assim, os pensamentos aparecem. Às vezes, acho até que eles têm vida própria.

É uma luta titânica contra você mesmo, que só poderá ser vencida aos poucos, bem devagar, pois sua vontade espiritual vai subjugando o condicionamento milenar de descontrole mental e emocional.

Nesse ponto entendemos que a meditação busca o autocontrole. A partir do momento que se consegue o silêncio, mesmo que seja mínimo, o praticante começa a sentir a dissociação do corpo físico e do espírito, como se existissem duas vidas. É uma sensação indescritível, que só pode ser entendida pelos que praticam.

Mesmo conseguindo estados de grande concentração, os pensamentos teimam em voltar e quando você pensa que os venceu... lá vem eles de volta... você acabou de pensar... “eu venci!!!”
Você deverá aprender a se desligar de todas as sensações que tiver durante a meditação. Essa parte é importante dado o fascínio das diferentes sensações que ocorrem durante a prática.
O mais importante é o silenciar da mente para o encontro com a sua individualidade.

4.4 Tempo de Prática

O tempo de prática varia de acordo com o grau adquirido por cada praticante e seus objetivos.

Um iogue pode praticar várias horas ininterruptas, contudo, seu corpo foi preparado para essa maratona espiritual.

Segundo indicações da Self Realization FellowShip, o ideal é realizar duas vezes ao dia, aumentando o tempo gradualmente até que você alcance o tempo ideal.

Meditação não é maratona e tempo de meditação não é sinônimo de iluminação. A prática diária e disciplinada é mais importante que o tempo de meditação.

O caminho de um meditador iogue pode ser comparado ao de um músico, que no início deve aprender a técnica, treinar, para depois conseguir tocar, independentemente do barulho ou das sensações que tem ao seu redor, e, no final, a musicalidade sai dele como se viesse da alma, e os seus ouvidos tornam-se extremamente sensíveis aos sons, sensibilidade essa que foi se desenvolvendo com muito treino e força de vontade.

A meditação é semelhante, só que tratamos com assunto muito mais abstrato que música, porém, a vontade e o treino não podem faltar a qualquer um que deseja trilhar o caminho iogue.

4.5 – Sensações

É comum o praticante de meditação ter as mais variadas sensações durante a prática, sendo que nenhuma meditação é igual à outra.

No entanto, o mais importante não são as sensações. Muitos praticantes se perdem em catalogar ou criar métodos de metragem das sensações para saber se estão progredindo.

Se você fica pensando e analisando as sensações, se desconecta da fonte, pois os pensamentos atrapalham o silêncio. É comum tudo isso no início, mas você tem que aprender a se desligar das sensações e se voltar para Deus, o objetivo único da sua meditação.


4.7 Meditação e Disciplina

O caminho da Meditação é perfumado por todos os lados e o discípulo sincero bebe da fonte divina as mais diferentes experiências espirituais, aprendendo a se conhecer, não só como corpo de carne, mas como espírito imortal.

Ao mesmo tempo em que a meditação é o refrigério da Alma, ela necessita de dedicação e renúncia por parte do praticante.

A disciplina deve ser ferrenha para não se perder no caminho. A alimentação, os horários de prática e o reto-caminho são pré-requisitos para os praticantes de meditação.

5. Os Mestres

Os Mestres são a expressão da misericórdia divina, que envia irmãos em grau de evolução muito superior para ajudar no desenvolvimento da humanidade, seja ele no caráter espiritual, filosófico, científico ou religioso.

Os mestres iogues não são os únicos que encarnam na Terra, temos vários exemplos de santos, cientistas e filósofos que mudaram para sempre o destino da humanidade.

No entanto, existem milhares de pessoas que se julgam mestres e se acham capazes de guiar discípulos. Muitos deles se perdem na prepotência, egoísmo e vaidade, podendo chegar a absurdos que são seguidos cegamente por pessoas que não têm discernimento.

Os Mestres realmente são pessoas enigmáticas e bem diferentes de nós.

Yogananda no seu livro nos mostra como identificar um Mestre, informando qual é o seu objetivo no mundo:
"A obra de um guru no mundo é aliviar as tristezas da humanidade, por meios espirituais, por conselho intelectual, pelo poder da vontade..."
" Um corpo doente não indica que faltam divinos poderes a um guru, nem a saúde permanente indica necessariamente a iluminação interna. As qualificações que distinguem um mestre não são físicas, mas espirituais".
"No Ocidente, numerosos indivíduos desnorteados que buscam a Deus pensam erroneamente que basta alguém tratar de assuntos metafísicos, em livros ou eloqüentes discursos, para ser um mestre. Só há Uma prova de que alguém é um mestre: ser capaz de entrar, à vontade, no estado destituído de respiração (sabikalpa saimadhi) e alcançar a beatitude imutável (nirbikaIpa samadhi) . Os ríshis salientaram que somente por estas conquistas pode um ser humano demonstrar que ele dominou maya, a ilusão cósmica dualística. Só ele pode afirmar, das profundezas da realização: "Ekam sat"("apenas existe UM") .

Por esse motivo, fica muito difícil encontrar um Mestre. A opção deixada por Yogananda é muito boa para nós. Ele fundou uma organização sem fins lucrativos (eu pude comprovar isso) para disseminar seus ensinamentos. Você deve pagar pelo envio e impressão dos estudos (a sede é em Los Angeles) e eles tiram dúvidas e acompanham a evolução do praticante.

 

6– A ciência Iogue e os Iogues

A ciência iogue fundamenta-se na consideração empírica de todos os tipos de técnicas de concentração e de meditação. A ioga capacita o devoto a ligar e desligar, conforme sua vontade, a corrente vital que vai para os cinco "telefones" sensoriais: visão, audição, olfato, paladar e tato. Alcançando este poder de desligar os sentidos, é simples para o iogue unir a mente com os reinos divinos ou com o mundo da matéria, à vontade. Não é mais puxado de volta pela força vital, contra a vontade, à esfera mundana de sensações desordenadas e de pensamentos inquietos.

O homem que busca o caminho iogue, a união divina, deixa de lado as discussões filosóficas, buscando resolver todas as suas dúvidas e angustias através da meditação. Neste sentido, Lahiri Mahasay afirmava:
"Limpe sua mente do entulho teológico e dogmático, deixe que entrem as águas frescas, curativas, da percepção direta. Sintonize-se com a ativa Orientação interior. A Voz Divina tem resposta para todos os dilemas da Vida. Embora a engenhosidade do homem para se meter em dificuldades pareça não ter fim, o Socorro Infinito não é menos capacitado".

Um provérbio Persa também é muito útil para ilustrar esse entendimento:
"Busque a verdade na meditação, não em livros borolentos. Olhe o céu, não a lagoa, para encontrar a lua".

7. Samadhi: a comunhão perfeita com Deus

Samadhi, como o próprio título informa, é a consagração do espírito que devotou sua busca a Deus, é o prazer supremo no contato direto e puro com Deus.

Uma torrente de bem-aventurança domina o espírito, ausentando-se do contato com o mundo e voltando toda sua força, vontade e desejo para Deus. Sua atenção é retirada dos sentidos básicos e seu espírito encontra livre acesso à manifestação, derramando-se sobre ele a Energia Cósmica.

Essa experiência não é vivenciada somente pelos iogues:temos vários relatos de santos e homens puros que entravam em um estado de “transe”, no qual obtinham o contato direto com Deus.

O contato divino só pode acontecer quando o corpo e o espírito estiverem preparados. Assim como uma pequena lâmpada seria queimada por excessiva voltagem elétrica, os nervos, igualmente, estão despreparados para a corrente cósmica. Aquele que buscasse entrar nesse estado antes do preparo, sentiria como se cada célula estivesse ardendo.

Segundo Swami Sri Yukteswar:
"Nos estados iniciais de comunhão com Deus (sabikalpa samadhi), a consciência do devoto funde-se com o Espírito Cósmico; A força vital é retirada do corpo, que então parece "morto", ou imóvel e rígido. O iogue possui plena consciência de seu estado físico de animação suspensa. Todavia, à medida que progride para estados espirituais mais elevados (nirbikalpa samadhi), comunga com Deus sem a imobilidade física; e o faz, em sua consciência normal de vigília, até em meio a exigentes deveres mundanos
(...)
Em sabikalpa samadhi o devoto alcançou a percepção de sua união com o Espírito, mas não pode manter sua consciência cósmica, exceto no estado imóvel de transe. Pela meditação contínua, atinge o estado superior de nirbikalpa samadhi, no qual pode movimentar-se livremente pelo mundo sem perder a percepção de Deus."

Transcrevo agora o trecho que descreve a primeira experiência de consciência cósmica de Yogananda:
" Meu corpo tornou-se imóvel como se tivesse raízes; o alento saiu de meus pulmões corno se um imã enorme o extraísse. Instantaneamente o espírito e a mente romperam com sua escravidão ao físico e jorraram de cada um de meus poros como luz perfurante e fluida. A carne parecia morta e, contudo, em minha intensa lucidez, eu percebia que nunca antes estivera tão plenamente vivo. Meu senso de identidade já não se achava confinado à estreiteza de um corpo, mas abarcava os átomos circundantes. Pessoas em ruas distantes pareciam mover-se suavemente em minha própria e remota periferia. Raízes de plantas e árvores eram percebidas através de uma tênue transparência do solo; e eu distinguia a circulação da seiva.

A vizinhança inteira surgia desnuda diante de mim. Minha visão frontal comum havia se transformado em vasto olhar esférico que percebia tudo simultaneamente. Pela parte de trás da cabeça, vi homens caminhando além da distante viela de Rai Ghat Lane e também notei uma vaca branca aproximando-se preguiçosamente. Quando chegou ao portão aberto do ashram, observei-a como se o fizesse com meus dois olhos físicos. Depois que passou para trás do muro de tijolos do pátio, continuei a vê Ia, claramente.

Todos os objetos dentro de meu olhar panorâmico tremiam e vibravam como rápidos filmes cinematográficos. Meu corpo, o corpo de meu Mestre, o pátio com suas colunas, a mobília, o assoalho, as árvores e a luz do sol, tornavam se, de vez em quanto, violentamente agitados até que tudo se fundia num mar luminescente, assim como os cristais de açúcar, mergulhados num copo de água, diluem-se depois de serem sacudidos. A luz unificadora alternava-se com materializações de forma e as metamorfoses revelavam a lei de causa e efeito na criação.
Uma alegria oceânica rebentava nas praias serenamente intermináveis de minha alma. Atingi a realização de que o Espírito de Deus é Beatitude inesgotável; Seu corpo compreende incontáveis tecidos de luz. Um sentimento de glória crescente dentro de mim começou a envolver cidades, continentes, o planeta, os sistemas solares e as constelações, as tênues nebulosas e os universos flutuantes. O cosmo inteiro, suavemente luminoso, semelhante a uma cidade vista de alguma distância à noite, cintilava dentro da infinidade de meu ser. Para além de seus contornos definidos, a luz ofuscante empalidecia ligeiramente nos confins mais longínquos, ali eu via uma radiação branda, nunca diminuía. Era indescritivelmente sutil, as figuras dos planetas constituíam se de uma luz mais densa .

Os raios luminosos dispersavam-se oriundos de uma Fonte Perpétua, resplandecendo em galáxias, transfiguradas com auras inefáveis. Vi, repetidas vezes, os fachos criadores condensarem se em constelações e depois dissolverem se em lençóis de transparente chama. Por reversão rítmica, sextilhões de mundos transformavam se em brilho diáfano e, em seguida, o fogo se convertia em firmamento.

Conheci o centro do empíreo como um ponto de percepção intuitiva em meu coração. Esplendor irradiante partia de meu núcleo para cada parte da estrutura universal. O beatífico amrita, néctar da imortalidade, corria através de mim, com fluidez de mercúrio. Ouvi ressoar a voz criadora de Deus, Om , a vibração do Motor Cósmico.

De súbito, a respiração voltou aos seus pulmões. Com desapontamento quase insuportável, constatei que havia perdido minha infinita vastidão. Mais uma vez me limitava à jaula humilhante do corpo, tão desconfortável para o Espírito. Como filho pródigo, eu fugira de meu lar macrocósmico e me encarcerara em um estreito microcosmo".

8. A Kriya Yoga

A Kriya Yoga foi divulgada na Índia moderna por Lahiri Mahasaya, guru de Swami Sri Yukteswar, que foi guru de Paramahansa Yogananda.

Babaji, um Mahavatar (Grande Avatar) da Índia, iniciou Lahiri na técnica da Kriya Yoga e a ele deu a incubência de revivificar essa técnica que havia sido perdida.

Ela significa a união (yoga) com o infinito por meio de certa ação ou rito (kriya).

Transcrevi alguns trechos do livro A Autobiografia de um Iogue para que os leitores entendessem um pouco mais sobre a Kriya Yoga, técnica de meditação ensinada e divulgada por Paramahansa Yogananda:
" A Kriya Yoga é um instrumento que pode acelerar a evolução humana. Os antigos iogues descobriram que o segredo da consciência cósmica está intimamente ligado ao domínio da respiração. Esta é a contribuição ímpar e imortal da Índia ao tesouro do conhecimento mundial. A força vital, que normalmente se dedica a manter a pulsação cardíaca, deve ser libertada para atividades superiores por meio de um método que acalme e detenha as demandas incessantes da respiração.
O Kriya Yogi dirige mentalmente sua energia vital para cima e para baixo, em torno dos seis centros espinhais.

Nos homens sujeitos à lei natural ou maya, o fluxo de energia vital se dirige ao mundo exterior; as correntes são desperdiçadas e usadas de modo abusivo nos sentidos. A prática da Kriya inverte o fluxo; a força vital é mentalmente guiada para o cosmos interior e se reúne às energias sutis da coluna. Por meio de tal reforço da força vital, o corpo e os neurônios do iogue são renovados por um elixir espiritual.

A técnica iogue vence o cabo-de-guerra entre a mente e os sentidos enredados da matéria, libertando o devoto. Ele sabe, então, que seu ser real não está limitado, nem pelo invólucro físico, nem pela respiração."
                                                                                                         Sri Yukteswar



9. A divulgação da Yoga na nova Era

Os Mestres na sua infinita bondade e amor pela humanidade verificaram que era necessário levar a Ioga do Oriente para o Ocidente. Estamos em um período de transformação vibratória de nosso planeta e a meditação é umas das ferramentas acessíveis aos homens para acelerar o seu processo de evolução e, ao mesmo tempo, melhorar a psicosfera que envolve o nosso planeta.
Yogananda fundou a Self Realization Fellowship como associação responsável por divulgar a Kriya Yoga e escreveu um conjunto de lições para estudo e técnicas básicas de meditação e energização do corpo como preparação dos estudantes para receber a Kriya Yoga. Aqueles que perseveram nos estudos e na prática das técnicas básicas estãom aptos a receber a segunda parte das lições, onde é ensinado a Kriya Yoga.

Quando ainda vivo, Yogananda recebia várias vezes a seguinte pergunta:
"É verdade, como afirmam certas organizações, que a ioga não pode ser estudada com bons resultados através de material impresso, mas deveria ser praticada somente a orientação imediata de um instrutor”?

O sábio Guru respondia da seguinte forma:
" Na Era Atômica, a ioga deve ser ensinada por um curso impresso de instruções, como as Lições de Self Realization Fellowship, ou a ciência da libertação novamente se limitará a alguns eleitos. Seria, de fato, uma bênção inapreciável se cada estudante pudesse ter a seu lado um guru, na posse perfeita da sabedoria divina; mas o mundo é constituído de muitos pecadores e poucos santos. Como poderão as multidões, neste caso, receber o auxílio da ioga, a não ser pelo estudo, em seus lares, de instruções escritas por verdadeiros iogues?

A única alternativa seria ignorar o "homem comum" e privá-lo do conhecimento da ioga. Mas este não é o plano de Deus para a nova era. Babaji prometeu proteger e guiar todos os Kriya Yogis sinceros na senda para a Meta Suprema. Precisa-se de centenas de milhares de Kriya Yogis e não apenas de meia dúzia, para tornar realidade o mundo de paz e de abundância que aguarda os homens quando tiverem feito o esforço necessário para restabelecer seu “status”como filhos do Pai Divino.

Fundar no Ocidente uma organização como SRF, "uma colméia para o mel espiritual", foi a tarefa que Sri Yukteswar e Babaji me atribuíram. O cumprimento desta sagrada missão de confiança não tem sido isenta de dificuldades".

10. Caminho da Kriya

De inicio, Babaji permitiu que Lahiri Mahasaya e somente ele, ensinasse a Kriya Yoga. O Yogavatar, então, pediu que alguns de seus discípulos também tivessem autonomia para ensinar a Kriya. Babaji cedeu e determinou que, no futuro, o encargo de ensinar ficaria restrito aos que tivessem avançado na senda da Kriya e recebessem autorização de Lahiri Mahasaya, ou dos, canais estabelecidos por discípulos autorizados pelo Yogavatar. Compassivo, Babaji prometeu assumir a responsabilidade, vida após vida, pelo bem-estar espiritual de todos os Kriya Yogis fiéis e leais, que fossem iniciados por instrutores de Kriya devidamente autorizados.

A assinatura de uma promessa de que a técnica de Kriya não será revelada a outrem é obrigatoriamente exigida dos iniciantes em Kriya Yoga da Self Realization Fellowship e da Yogoda Satsanga Society of Índia. Assim, a técnica de Kriya, simples mas exata, fica ao resguardo de mudanças e distorções efetuadas por instrutores sem autorização, e permanece em sua forma original, incorrupta.

Embora as antigas exigências de ascetismo e renúncia fossem eliminadas por Babaji para que as massas pudessem obter os benefícios da Kriya Yoga, ele exigiu que Lahiri Mahasaya e todos os descendentes de sua linhagem espiritual (a linhagem de Gurus da SRF-YSS) impusessem, a quem procurasse a iniciação, um período de treinamento espiritual preliminar, como preparação para prática da Kriya. A prática de uma técnica altamente avançada como a Kriya é incompatível com uma vida espiritual irregular. A Kriya Yoga é mais do que uma técnica de meditação, é também um modo de vida e requer ao iniciado a aceitação de certas disciplinas e mandamentos espirituais. A Self Realization Fellowship e a Yogoda Satsanga Society of Índia têm seguido fielmente essas instruções transmitidas por Babji, Lahiri Mahasaya, Sri Yukteswar e Paramahansa Yogananda. As técnicas de Hong-Só e de Om, ensinadas nas lições da SRF-YSS e por seus representantes autorizados como preliminares para a Kriya Yoga, são parte integral desta senda. As técnicas são altamente eficazes no elevar a consciência para a Auto-Realização e libertar a alma de seus grilhões.

 

11. Como se tornar estudante da Self Realization Fellowship

Aos queridos irmãos que se interessam pela meditação não indico se tornarem estudantes da SRF antes de ler o livro "A Autobiografia de um Iogue", de Paramahansa Yogananda.
Esse humilde artigo foi retirado das suas maravilhosas palavras e por isso jamais poderia indicar caminho diferente daquele que eu mesmo trilhei para me tornar um humilde estudante dessa honrável instituição.

O livro é vendido em várias livrarias, não sendo difícil de encontrar.

De leitura suave, amiga e cativante, o livro é suave como uma brisa e profundo como o oceano. Só pude compreender algumas passagens na segunda leitura, muitos anos depois do primeiro contato com os ensinamentos desse sábio guru.

Indico a leitura do livro mesmo para aqueles que não desejam se filiar ao grupo, pois muitas dúvidas, dicas e ensinamentos são colocados nas lindas páginas do livro.

No livro estão muito bem explicados os procedimentos para se tornar estudante, não sendo necessárias quaisquer explicações minhas.

Existem grupos de meditação espalhados por todo o Brasil e pelo mundo.Coloco abaixo os links para os grupos do Rio de Janeiro e São Paulo e também o link para a página central, onde o leitor pode obter maiores informações.

Atesto aqui a seriedade e o carinho dessa instituição fundada por Yogananda, que cobra pelo material o necessário para sua impressão e envio e solicita, para os que podem, ajudar com doações, já que é necessário para a sua sobrevivência e para a manutenção dos ensinamentos.

Rogo a Deus que me tenha permitido passar um pouco do que significa a meditação, estimulando muitos a seguirem por esse caminho, que, no suor do esforço, faz resplandecer o Amor infinito do nosso Pai.

Que Deus ilumine o caminho escolhido por todos, pois todos eles levarão ao Topo da Montanha!

12. Sites para Obter Maiores Informações


Perguntas Respondidas