Em Busca da Verdade    (Suicídio - Uma idéia que não vale a pena)
Consequências do Suicídio - Período de Sofrimento
por Gustavo Martins

O período de expiação do suicida no plano astral é, na grande maioria dos casos, igual ao período estimado para a encarnação atual, durante esse período ele ficará a mercê de obsessores cruéis ou ligado a outros suicidas, compartilhando suas dores e revivendo, sem descanso, as sensações do instante fulminante do seu erro. É importante lembra que não estamos falando sobre as vidas futuras, pois essa expiação será necessária nas encarnações futuras, aqui estamos falando sobre o sofrimento após o desencarne, no plano astral.

A maioria dos espíritos que desencarnaram de forma natural relatam que após algum período de recuperação iniciam atividades de estudo e trabalho espiritual para aprimoramento e preparação, contudo, aos suicidas são impostos limites rigorosos, sua situação é delicada e eles não possuem o merecimento necessário para aproveitar completamente a estada no mundo astral. A maior parte necessita reencarnar urgentemente, em situações aflitivas de deficiência física ou mental.

As potências vitais que a Natureza Divina imprimiu em todos os gêneros da Criação e, em particular, no ser humano, agem sobre o suicida com todas as energias da sua grandiosa e sutil atividade! E isso graças à natureza semimaterial do corpo astral que possui, além do envoltório material. Viverá ele, assim, da vida animal ainda por muito tempo, a despeito mesmo, em vários casos, da desorganização do corpo de carne!
Palpitarão nele, com pujança impressionante, as atrações vivíssimas da sua qualidade humana, até que as reservas vitais, fornecidas para o período completo do compromisso da existência, se esgotem por haver atingido a época, prevista pela Lei, da desencarnação. Em tão anormal quão deplorável situação permanecerá o suicida, sem que nada possamos fazer a fim de socorrê-lo, apesar da nossa boa-vontade!


Perguntas Respondidas