Mensagem
voltar para consulta

Origem
Velhos e Moços - Reflexão sobre a idade do espírito
Data Publicação
08/11/2010
Texto

- Simão - disse o Mestre com desvelado carinho - poderíamos acaso perguntar a idade de Nosso Pai? E, se fôssemos contar o tempo, na ampulheta das inquietações humanas, quem seria o mais velho de todos nós? A vida, na sua, expressão terrestre, é como uma árvore grandiosa. A infância é a sua ramagem verdejante. A mocidade se constituí de suas flores perfumadas e formosas. A velhice é o fruto da experiência e da sabedoria. Há ramagens que morrem depois do primeiro beijo do Sol, e flores que caem ao primeiro sopro da Primavera. O fruto, porém, é sempre uma bênção do Todo-Poderoso. A ramagem é a esperança, a flor uma promessa, o fruto é realização; só ele contém o doce mistério da vida, cuja fonte se perde no infinito da divindade!...

Ao passo que o discípulo lhe meditava os conceitos, com sincera admiração, Jesus prosseguia, esclarecendo:

- Esta imagem pode ser também a da vida do espírito, na sua radiosa eternidade, apenas com a diferença de que aí as ramagens e as flores não morrem nunca, marchando sempre para o fruto da edificação. Em face da grandeza espiritual da vida, a, existência humana é uma hora de aprendizado, no caminho infinito do Tempo; essa hora minúscula encerra, o que existe no todo. É por isso que ai vemos, por vezes, jovens que falam com uma experiência milenária e velhos sem reflexão e sem e sem esperança.

- Então, Senhor, de qualquer modo, a velhice é a meta do espírito? - Perguntou o discípulo, emocionado.

- Não a velhice enferma e amargurada, que se conhece na Terra, mas a da experiência que edifica o amor e a sabedoria. Ainda aqui, devemos recordar o símbolo da arvore, para reconhecer que o fruto perfeito é a frescura da ramagem e a beleza da flor, encerrando o conteúdo divino do mel e da semente.

Fonte: Boa Nova - Francisco Candido Xavier, pelo espírito Irmão X